Senjougahara Hitagi & Araragi Koyomi

tz72itw

“Foi a decisão correta salvá-la?”

Monogatari Series não é o que alguém pode chamar de “ponto pacífico” de discussão, em nenhum sentido. Seja sobre as aberrações, cronologia, enredo, tudo é absolutamente relativo, inclusive as interpretações que proponho aqui no blog ou quando converso com a Marcela nos Semanais. Resolvi abordar uma questão que sempre me chamou muito a atenção e se torna cada vez mais abrangente: o relacionamento do Araragi com a Senjougahara.

Existe amor entre eles? Existe dor entre eles? Qual o motivo deles terem ficado juntos tão depressa?

Não sei se a questão será esclarecida, mas pretendo alcançar algumas conclusões nesta postagem.

Comecemos, então.

Escada

A série se inicia (pensando na ordem de lançamento) por Bakemonogatari, a cena da escada onde o Araragi segura a Senjougahara é simbólica ao longo da história toda. A cena em particular é retomada em outros segmentos e sempre sugere algo, o bendito escorregão da Gahara é um leitmotiv. Esse é o ponto de partida para o relacionamento de Araragi/Gahara, o garoto percebe que ela não tem peso algum no corpo, tenta ajudá-la, a cena do grampeador, enfim, estou recitando o óbvio para refrescar a memória.

Ela, Gahara, menciona que se apaixonaria por qualquer pessoa que a salvasse, no caso quem preencheu essa lacuna foi Araragi Koyomi, mesmo sem ter muita ideia do que isso realmente significaria. Eu poderia desenvolver uma enorme tese aqui sobre os motivos deles terem ficados juntos logo em Bakemonogatari, pretendo ainda retomar as partes importantes desse caminho, mas a resposta para esse namoro soar e ser repentino é bastante prática.

O Nisio não tinha planos de continuar com a série, por isso ela termina o seu primeiro volume com o casal junto. Ponto.

Bakemonogatari era uma obra única, tida e concebida por seu autor como algo sem continuação. Era a história da recuperação de uma menina e o relacionamento que ela viria a estabelecer, só. Envolve outras garotas, mas a base continua a mesma. O próprio palíndromo afirma numa entrevista que essa era a sua ideia inicial, claro, o SHAFT (e convenhamos, os próprios caprichos do autor) viriam a derrubar esse fato. Toda a questão deles ficarem juntos inicialmente é explicada por esse simples fato; agora, isso não significa que ela não seja coesa e bem elaborada.

Voltando para uma das raízes dos problemas da Gahara, ela foi estuprada com o consentimento da mãe. A situação é hedionda, isso a marcou de tal forma que acarretou em seu encontro com o caranguejo que retirou seu peso. Um escapismo. Ela perde o peso existencial e vive a vida de forma tão leve que se torna insuportável. Retomando, o primeiro (aparente) contato dela com o gênero masculino foi no caso do Kaiki, situação por sinal pouco clara até hoje e que gerou outro trauma.

Não sei como soa na leitura, mas o contato corporal é revelador. O Araragi viola o espaço da Gahara ao ajudá-la e logo é repelido, ela nem chega a tocar nele diretamente. Na bicicleta também, ela mantém o máximo de distância possível do corpo dele. Ela é muito insegura com o gênero oposto, principalmente se pensarmos que uma das maiores amizades dela era a Kanbaru Suruga e não falo isso pela orientação sexual da personagem, é apenas menção sincera ao fato dela ter só amigas. Uma amiga, no caso.

A Senjougahara se apresenta como uma menina defensiva. Do primeiro momento ao “grampear” o Araragi, depois o ajudando no caso da Hachikuji (ela inclusive tenta disfarçar afirmando que notou a menina, para não ficar deslocada), as ações dela são as de alguém em recuperação. Uma piada da série é sobre ela estar nessa longa reabilitação social com a ajuda do Araragi, a gentileza e o gesto dele a salvaram, não é só a afeição de retribuir um favor, é algo mais honesto.

O arquétipo da personagem é o “tsundere”, ela brinca muitas vezes com o Araragi a respeito dessa questão, entretanto nunca me soou abrupto ou falso a forma como foi se estabelecendo. Aceito o argumento de que é rápido demais, mas não que é artificial, de forma alguma. Eles se encontram nesse contexto de monstros, de duas pessoas quebradas com seus próprios traumas e o sentimento vai naturalmente surgindo, um sentimento que não encontra dúvidas da parte do Araragi, porque ele pode ser muitas coisas, mas não é insensível. No caso da Hanekawa ele foi buscar formas de confirmar o que sentia pela gata e a rejeitou quando foi necessário.

A meu ver não existe declaração de sentimento mais honesta do que a cena na clareira, no fim de Bake. Eles ali, sob o céu estrelado e entrelaçando as mãos dele, afirmando que não tem nada a oferecer além do corpo e que, se ele quisesse isso, precisaria ter paciência. O sentimento e relação deles já está consolidado nesse momento. É a história da recuperação de uma menina e do surgimento da afeição, paixão ou amor, enfim, o termo que soar melhor.

Tempero

Falar desse relacionamento do ponto de vista da Gahara soa fácil, contudo, é preciso falar da outra metade. Araragi Koyomi é muito mais sutil nesse aspecto. É preciso mais atenção para entender o valor real que esse relacionamento tem para ele, ainda mais se pensarmos na obra inteira e nas ações do Araragi a respeito das outras garotas. Abordar a relação dele com a Hanekawa explícita como o antigo vampiro encara suas relações em geral.

O Araragi mudou por conta da Hanekawa. Não é um ponto de discussão, é uma verdade máxima. O altruísmo (autodestrutivo) da Hanekawa o motivou a agir com a Kiss-shot inicialmente, ele não teria se sacrificado pelo ser vetusto se não tivesse conhecido a menina, sem dúvidas. Ironicamente esse desejo sexual e aparente sentimento que ele desenvolveu pela gata não era duradouro, foi um encanto, uma miragem. Ele mesmo admite que é graças a ela que, algum dia, ele vai se apaixonar verdadeiramente.

Ele agarra a Hachikuji, beija a Shinobu, brinca com a Tsukihi, aqueles gracejos característicos do personagem. Sempre repetindo os mesmos trejeitos, embora fique cada vez mais sério e focado, esse jeito nunca desaparece. Percebem que o Araragi sempre deu valores diferentes a essas ações? Quando a Hanekawa se declara a ele em Nekomonogatari (Shiro), ele afirma que já ama outra pessoa e não pode corresponder a esse sentimento. Todo o resto é uma brincadeira pro Araragi, esses abraços, agarrões e tudo o mais não tem valor real.

Quando é uma declaração abrasadora ele a recusa com seriedade, sem titubear. Ele lida com a Senjougahara com muita sinceridade. Nos momentos de crise ele sempre se volta para ela, em Owarimonogatari-2 a pessoa que conversa com ele momentos antes da grande decisão é ela, em Koyomimonogatari na véspera do grande vestibular, decisão tomada porque ele queria estar com ela, é a Gahara o acompanhando até o local. Não são grandes declarações que marcam o relacionamento entre eles, mas as pequenas. Essa questão de acompanhá-lo, ela ir buscá-lo, ele desejar uma boa faculdade, o relacionamento moldou ambos.

A intenção do texto não é defender as ações do Araragi. Não há julgamento moral. A Senjougahara sabe que essas ações dele são piadas, ele nunca a trairia realmente e, de fato, ele nunca fez nada que transgredisse essa certeza que ela tem. Por mais que a personagem brinque que só ficou com ele por conta dele tê-la ajudado e não nego que seja verdade, a relação deles está em outro patamar, muito maior do que qualquer sensação de estar devendo um favor ou obrigação.

Ligação

Bakemonogatari já estabelece o relacionamento, poderia muito bem se fechar naquele momento deles na grama e seria satisfatório, mas temos outros 20 volumes de história. É interessante notar como a relação Araragi/Senjougahara evolui rapidamente, principalmente pelas conversas e detalhes entre os dois. O Nisio não é a espécie de autor que escancara os sentidos, ele estabelece ideias e a partir disso o leitor pode inferir entendimentos, situação bastante corriqueira para quem acompanha a série.

O leitor Vinícius comentou sobre uma afirmação que fiz nos comentários semanais, sobre o casal ter uma vida sexualmente ativa e questionou qual parte estava localizada esse fato. Não está. Em lugar nenhum. Pensem um minuto. A Gahara no começo da série, que mal conseguia tocar no rapaz e nela em Nisemonogatari, jogando o Araragi contra a grade e dizendo “seja gentil comigo”. Pode não ser naquele momento em particular, mas só esse gesto revela tudo o que eu poderia querer saber. A intimidade do olhar, as bochechas do Araragi ficando levemente ruborizadas.

É a sutileza da criação de NisiOisiN. Não é preciso exibir ou dizer, apenas observe a linguagem corporal de do casal, pense nas situação deles, em como se comportam, pronto. Indo para Koimonogatari, nisso de mostrar a evolução dos personagens e relação, a Senjougahara conhece bem o companheiro, por isso vai atrás de Kaiki Deishuu em busca de ajuda. Ela encontra alguém que traz memórias desagradáveis para que essa pessoa salve seu namorado, o ato dela buscar ajuda nessa pessoa é o mesmo que uma sonora demonstração de afeto.

Não existe uma resposta definitiva para esse casal, assim como para nenhum outro. Parâmetros de comparação ajudam, mas não são satisfatórios. Muitos acreditam que ele estar com a Hanekawa Tsubasa seria a decisão comum, o próprio Oshino Meme tece comentários nessa linha, particularmente não acredito nisso. A Horie Yui afirmou que o Araragi que a gata ama, é esse cara que a rejeitou. Que foi atrás de um sentimento legítimo e não se acomodou com uma grande amiga só por ser conveniente.

Como disse, não existe resposta certa para o entendimento sobre a relação desse casal. O Araragi gosta mesmo dela? Isso também não é uma “conveniência” de ter salvo alguém? Honestamente não sei dizer.

Mas que eles formam um ótimo casal, ah, isso eu afirmo sim.

8d91134fef2e47d4db843703e4fc84b3

Advertisements

10 thoughts on “Senjougahara Hitagi & Araragi Koyomi

  1. Eu gosto do relacionamento deles justamente por isso… É algo tão naturalmente, não-natural… É comum ver isso na maioria das histórias, casal se apaixonado a primeira vista, mas não é bem isso na vida real… Ok, você até pode dizer que já encontrou alguma pessoa que simplesmente gosto apenas por ver, mas quem não garante que isso não foi seu subconsciente tentando de “salvar” também?
    Eu gosto muito de uma parte de Zaregoto, onde a Sonoyama explica meio por cima isso: ” Acredita que o amor é uma relação de 50/50 é infantilidade, no geral é uma pessoa amando e a outra se deixando ser amada porque isso é algo “feliz””…
    O relacionamento dos dois é bem isso, a Gahara se apaixonou e o Araragi se deixou apaixonar, simples assim.

    • Relação interessante de ideias, Marcelo. Considero a relação deles nesse naipe, foi algo realmente “estranho” inicialmente, mas isso não deve ser demérito algum.

        • “Estupro, coito forçado ou violação é a prática não consensual do sexo, imposto por meio de violência ou grave ameaça de qualquer natureza por ambos os sexos. Ele consiste em qualquer forma de prática sexual sem consentimento de uma das partes, envolvendo ou não penetração.”
          Sim, foi estupro, a cena dela jogada no chão, a mãe dela dando o aval, é impactante.

  2. Eu também não considero o relacionamento deles forçado. Unilateral no começo, sem dúvida. Realmente a Senjougahara se apaixonaria por qualquer um que a salvasse, assim como uma vez ela se apaixonou pelo Kaiki. Nem por isso muda o fato de que ela se apaixonou, e gradualmente ele também se apaixonou por ela. Como bem apontou o Marcelo (que coincidência de nome hein), a frase da Sonoyama é perfeita.

    Contudo, discordo que o que o Araragi teve pela Hanekawa foi só atração sexual. Na minha interpretação é justamente o contrário: o que ele tinha por ela era muito mais do que amor, como o próprio Araragi aponta tantas vezes. Ele morreria por ela (não só como possibilidade porque ele só não morre de fato graças à Shinobu). O problema é justamente esse: ele a idealizava a garota absolutamente ideal. Um sentimento tão grande e unilateral não resulta em amor, por parte de nenhum dos dois. E no final de Neko Kuro o que o Araragi conclui é justamente isso, ele finalmente encara a Hanekawa como gente. Isso também é simbolizado quando ele percebe que a Black Hanekawa não é ninguém menos que a própria Hanekawa, ele perceber a parte “humana” dela (que por sua vez, contraditoriamente, é a parte Kaiki).
    Ele acorda da ilusão que criou sobre a garota que idealizava e então aprende que aquilo não é amor, por isso diz que tal episódio é o que permitirá que ele se apaixone >verdadeiramente< um dia.

    • Obrigado pelo toque, Tyr, eu me expressei mal no parágrafo em questão. Não digo que foi SÓ atração sexual, houve uma série de sentimentos confusos, mas o sex appeal dela falou mais alto em alguns momentos importantes. Ele pensa em morrer por ela no final de Neko (Kuro), de fato, ele sente uma profunda e sincera admiração por ela e na saída desse arco o Araragi parece apto a se apaixonar de verdade por alguém. Muito bem colocado.

  3. Pingback: Boruto – Primeiras impressões | Anime21

  4. Bom… ainda acho que esse anime é bem mais harem do que qualquer coisa! As pessoas tendem a gostar do primeiro casal que “aparece”. Se Kizumonogatari fosse o primeiro anime a ser visto, muitas pessoas seriam mais fãs da Hanekawa hoje…. mas é assim mesmo, como eu odeio tsunderes, não trocaria a gata pelo caranguejo nem…

Dê sua opinião!

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s