Black Lagoon – “A Poesia de Roanapur”

ss (2013-07-09 at 02.10.12)

Auuuuuuuuuuuuu~

Desde antes do começo da Semana Monogatari paramos tudo para concluir a tão aguardada Semana, hora de voltarmos a programação normal.

O anime que me encantou entre tiros, sangue e entranhas. Que me fez estar no faroeste. Um grupo de 4 mercenários lendários em uma ilha no mar sul da china, na cidade portuária de Roanapur. Bem-vindos ao mundo mágico de Black Lagoon

Sobre Black Lagoon

“Black Lagoon” (Lagoa Negra) é um mangá escrito e ilustrado por Rei Hiroe. Sua serialização começou em 2002 na revista de mangás Seinen, Sunday GX, desde então entre muitos hiatos e retornos soma 9 volumes incríveis. Foi adaptado para o formato anime em 2006 pelo estúdio Madhouse em 12 episódios, logo depois no mesmo ano retornou com mais 12 episódios só que dessa vez com o nome de “Second Barrage” totalizando 24 episódios; 4 anos depois 5 OVAs foram lançados intitulados de “Roberta’s Blood Trail“.

Enredo

Um típico trabalhador japonês está fazendo uma entrega no mar sul da china, quando é sequestrado: seu nome é Okajima (Rock). Por sorte (ou azar), ele foi sequestrado pela famosa companhia que “de tempos em tempos precisa ir contra a lei para ganhar o pão de cada dia” a famosa Black Lagoon. Entre seus membros temos a mulher com os gatilhos mais rápidos do mar sul da china, Revy “Two-hand”, o capitão do barco/companhia Black Lagoon, Dutch, e o hacker Benny.

BLACK LAGOON Robertas Blood Trail - OP - Large 05

Da esquerda para a direita: Benny, Rock, Revy e Dutch.

Não bastasse o sequestro, logo Rock é visto como um incômodo pela sua empresa e é dado como “morto” para evitar maiores questões; com o problema da entrega resolvido Rock percebe que não tem mais casa, um lar… Restando assim a unica opção de se juntar a companhia de mercenários e mergulhar na escuridão. Vamos nadar um pouco~

Anime

Gosto quando vou assistir a algo sem grandes expectativa além do esperado, no caso era “Vai ter pew pew pew, mulheres bonitas, sangue… tá valendo” e fui realmente surpreendido pelo o que eu encontrei: filosofia, questões engenhosas e personagens carismáticos. Tudo em Black Lagoon tem seu desenvolvimento trabalhado de forma notável, uma conversa solta em um episódio mais tarde torna-se a trama central de outro arco, um personagem que aparentemente é esquecível logo surge em meio a uma trama maior e complica a situação, reviravoltas que fazem desse anime algo extremamente divertido.

Rock é o protagonista que aparentemente vai ser morno durante a série inteira para em algum ponto “fazer algo de útil”, servindo como acessório do cenário, mas conforme tudo avança cada conflito atinge Rock diretamente transformando ele em um dos melhores protagonistas que eu conheço porquê… Ele é idealista, e a nova realidade ao seu redor destrói isso. Um panorama geral da situação: Você é um cara comum, trabalhador japonês que sofreu diversas humilhações no meio empresarial, embora tenha uma formação acadêmica notável não se destaca entre tantos; um dia em meio a uma entrega é sequestrado, jogado em um barco com uma mulher beberrona, um afrodescendente que raramente abre a boca e um judeu hacker para logo depois ser descartado como lixo pela própria empresa não restando outra opção a não ser enfiar o rabinho no meio das pernas e tentar, frisando muito bem esse tentar, seguir como “mercenário”… Claro que não daria certo, e é por isso que eu gosto do Rock.

Acho verossímil como esse estranhamento ocorre não só para o Rock mas para a Revy também, o Rock surta na primeira vez que ela coloca uma arma na mão dele e ela fica irritada com ele, em algumas lógicas de anime o protagonista a essa altura já teria pego a arma e gritado “Morrrrrrrrrrrrra! Pew pew pew pew”, em 4 minutos ele teria esquecido quem era, a vida tranquila que sempre viveu e se tornando um assassino, mas não, ele recusa e diz que não vai atirar em ninguém. Desse modo Rock demonstra ter sua própria personalidade, só nesses 3 primeiros episódios isso fica bem claro e é trabalhado ao longo da trama, mais tarde retornaremos a ele… vamos passear por Roanapur. Vamos conhecer o seu circo de horrores.

Roanapur é mágico. É poético. É o faroeste. É tudo. A cidade portuária de Roanapur é fictícia mas toda sua inspiração vem de filmes, no Yellow Flag, principal bar da cidade, todos estão sentados jogando carta e bebendo com armas em seus coldres, quase toda noite esse mesmo bar é destruído e têm seus prejuízos cobrados dos responsáveis; nessa mesma cidade portuária existem traficantes, cartéis, quadrilhas, mercenários, russos, chineses, tudo um grande circo dos horrores. Claro, isso tudo é uma pequena parte de Roanapur, seus personagens é quem ao mesmo tempo fornecem o tom de comicidade e horror. Um piromaníaco que faz pouco caso da situação, um atirador espalhafatoso que faz pose para tudo, uma chinesa que nem consegue formar frases corretamente, uma empregada que é parente do Exterminador do Futuro, uma garota muda que mata utilizando serra-elétrica… Tudo isso em meio a matança. A forma como o autor insere eles sem parecer estranho é fabulosa, nada parece fora do normal porque em Roanapur aquilo é normal, para eles é só um dia rotineiro.

O autor em nenhum momento explica o passado desses personagens de modo detalhado, conforme a trama se condensa, se expande, tudo é explicado como pequenos flashbacks, com pequenas conversas que ajudam a entender por que personagem N é assim, por que personagem X abandonou tudo para ser o que é atualmente; mas isso não importa, Roanapur é passe livre para todos, não importa quem você foi antes de entrar naquele mundo de mercenários, importa é você ter uma arma no coldre, bom instinto de sobrevivência e contatos. Roanapur é onde seu “saldo de Karma” fica zerado, onde você assume o pior de si mesmo, assume que sim dinheiro compra caráter, tudo. Ou será que não?

Mencionei eles não terem consciência, mas acho que não apliquei o real sentido. Talvez, eles tenham sim consciência, mais consciência do que um transeunte vindo de uma realidade diferente teria; eles matam por dinheiro ainda que exista uma “amizade” (aplicada aqui no sentido mais vago possível) entre eles tudo é na base do dinheiro: aliados em um dia, inimigos no outro… É assim que funciona em Roanapur, é assim que tudo funciona nessa cidade esquecida pelas autoridades; entre tantas figuras Rock poderia facilmente ser esquecido mas não, ele ganha destaque por justamente se manter neutro. Sua neutralidade é tanta que mesmo após ser expulso da empresa, ele segue vestido de colarinho branco/gravata como forma de lembrar quem é, como forma de ser covarde. Sim, covarde.

Existe um diálogo muito bom no arco final do anime onde o Rock decide com a Revy salvar a garota líder da Yakuza, Yukio, de alguns gângsters; ambos ficam em um quarto aguardando o tiroteio acabar e a adolescente questiona a razão dele estar ajudando ela, ele prontamente diz que é porque simplesmente não acha justo ver uma garota envolvida em algo tão obscuro assim… E aí começa o tapa na cara. Rock por toda a série foi tendo a ideia de “ajudar o próximo” sendo desmantelada aos poucos, quando um casal de gêmeos é morto sem qualquer salvação, quando ele observa a Revy com olhos de “cão vira-lata”, cada um desses momentos foi destruindo seu ideal e a Yukio simplesmente joga isso na cara dele, que ele não escolheu mergulhar na escuridão muito menos retornar para a luz, ele fica no crepúsculo enquanto tenta forçar isso no novo ambiente em que se encontra, quando ele percebe que as palavras dela são reais, ocorre um abalo nas crenças do Rock, coisa que resultaria em seu primeiro mergulho de cabeça logo mais. Vamos falar sobre um cão sanguinário em particular, Roberta.

O mergulho na lagoa negra e o cão sanguinário

BLACK LAGOON Robertas Blood Trail - OP - Large 06

Tinham me dito que a série ganhava um novo contorno, uma nova forma… mas não esperava isso. Essa tensão. Esse sangue… essa maravilha.

Traduzido como “A Trilha de Sangue da Roberta” foi feito 4 anos após o final do anime, uma série de 5 OVAs sem qualquer censura que apenas reforçam o sangue/violência da série; dessa vez temos a famosa empregada e também ex-guerrilheira, Roberta, buscando vingança pela morte de seu meste destruindo tudo o que estiver no caminho até encontrar os culpados, o título que ela ganhou de “cão sanguinário” é mostrado em todo seu esplendor vermelho.

Roberta decide que vai contra tudo e todos para obter sua vingança, fazendo com que o seu novo mestre, Garcia, procure ajuda na mesma companhia que já o ajudou uma vez no passado e claro que não poderia ser nenhuma outra a não ser a Black Lagoon, só que dessa vez temos um Rock arisco, que aprendeu como são as regras de Roanapur; em um primeiro momento a Black Lagoon compreende o tamanho dessa “vingança” e até onde ela seria levada fazendo com que todos recusem a proposta, o problema é que a proposta não era direcionada para todos, mas sim ao Rock no qual o Garcia colocava sua esperança, após recusar esse pedido ele é “provocado” pelo líder da tríade Chinesa, Mr. Chang, a “ajudar o pobre garotinho, afinal o Rock não tinha coração?”, e com essas palavras Rock descobre um desafio: o mergulho na escuridão que ele hesitou tanto, ele faria isso. E a pessoa que mais seria afetada? Ninguém menos do que a “sua arma”, a Revy.

BLACK LAGOON Robertas Blood Trail - 01 - Large 09

Existe uma relação muito forte entre Rock/Revy e até certo ponto sexual, logo no começo quando o Rock se juntou a companhia de mercenários a Revy estranhou, melhor, ela se recusou a aceitar ele como membro por não compreender o que “alguém que veio de uma família feliz, da luz” estaria fazendo com eles, entre brigas e discussões tudo foi acertado e a adoração da Revy por ele foi crescendo, a Revy tem essa verdade jogada na cara dela pela mais nova empregada da família Lovelace, Iglesias, que mostra como ela tem medo que o Rock mergulhe, que ele mostre uma outra faceta que ela desconhece e isso é reforçado quando o Dutch menciona em uma conversa anterior “O problema do Rock, é que os tiros dele recocheteiam”; o desfecho improvável de todo essa vingança da Roberta é a sobrevivência dela mesma encarando seus pecados, a sobrevivência da Família Lovelace que precisa ser reconstruída e de um Rock anestesiado pelo seu mergulho.

Embora Rock tenha realmente mergulhado, sendo vil pela primeira vez creio que ele não tenha realmente se tornado um vilão; acredito que só a partir do momento em que ele colocar uma arma na mão e tirar a vida de alguém, nesse momento o mergulho vai estar completo. Ele pela primeira vez observou a situação submergido na lagoa negra, resultando em manipulações e isso assustou a Revy, embora esse arco seja especialmente da Roberta, de sua vingança, mostrando como a loucura toma conta dela aos poucos é igualmente o arco do Rock, ambos são os protagonistas desse que é sem dúvidas o melhor arco da série Black Lagoon.

Opinião Final

Surpreendente? Incrível? Carismático? Tantos adjetivos para dizer sobre Black Lagoon que nem encontro um específico, cada um dos personagens que compõem a série fazem dela algo sensacional, algo divertido e acelerado; cheguei ao ponto de reconhecer o gatilho da Cutlass (arma da Revy) antes mesmo dela aparecer em uma cena por justamente o anime se focar nos detalhes, nos disparos, nos gritos de horror, nas conversas, nos pequenos flashbacks.

Assista também, mergulhe na lagoa negra. Como a letra da opening diz: “Ninguém vive para sempre, tudo depende de você”. Lance o dado, seja o dado.

Ou simplesmente, navegue com esses mercenários.

ss (2013-07-09 at 09.12.11)

Advertisements

3 thoughts on “Black Lagoon – “A Poesia de Roanapur”

  1. Black Lagoon é o exemplo perfeito de um anime que deve ser visto principalmente para entreter. Suas cenas de ação que por várias vezes desafiam a lógica são extremamente divertidas, eletrizantes e que me fez com certeza vibrar na frente da tela.

    A relação da Revy com Rock é especialmente interessante de se acompanhar. A discussão que os dois tem sobre princípios e sobrevivência em que se questiona o que pesa mais na balança quando se trata de sobreviver a um mundo completamente hostil a sua volta. Rock é a personificação do termo “adaptar para sobreviver” mesmo que seja da maneira mais dura. O mais interessante é que justamente a pessoa que já havia se afundado nesse lago negro, que estava completamente adaptado não deseja que Rock também se torne. Revy me agrada não só nesse, mais em vários outros quesitos.

    Sinto falta dessa Madhouse que conseguia conciliar ótimas cenas de ação com histórias inteligentes ou com conteúdo. Gunslinger Girls, Casshern Sins e o próprio Black Lagoon são exemplos.

    A propósito, não sabia que o OVA era tão bom assim, achei que fosse apenas fanservice gore usando a Roberta, pelo visto me enganei e caramba, até o Rock é desenvolvido! Vou baixar o mais rápido possível haha!

    • Todos comentavam desse OVA E- Viciei nele. Precisei assistir os 5 em seguida. É uma nova dimensão HNNNNG.

      E obrigado pelo comentário <33

Dê sua opinião!

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s