Nekomonogatari (Shiro) Capítulo 7

Capítulo 7.

Mas agora eu tinha um problema.

Bem, eu já tinha um problema pra começo de conversa, mas agora tinha um problema maior, que era o fato de eu não ter um único amigo que me deixaria ficar na sua casa.

Eu tinha amigos.

Tendo uma personalidade um tanto problemática, eu não poderia dizer que eu tinha muitos mas, da minha própria maneira, eu havia construído uma rede de amigos apropriada para um estudante normal durante minha vida escolar.

Falando nisso, enquanto o Araragi-kun falava da sua falta de amigos com não tanto masoquismo mas algo próximo a orgulho, nesse ponto, permita-me testemunhar que ele não estava falando inverdades.

Não era um exagero dizer que ele não tinha amigos.

Ou melhor, por um tempo ele se conduziu a fazer o mínimo de amigos possível – fazer amigos diminuí sua força como um ser humano, ou assim ele dizia.

Ele realmente pensava, e dizia, isso.

Apesar de que ele já havia abandonado essa filosofia, ele ainda estava passando por uma reabilitação, e eu nunca vi ele falar com os garotos da sala.

Na verdade, eu nunca vi ele falar com ninguém além da Senjougahara-san e de mim.

Ele sabia que, assim como a Senjougahara-san costumava ser chamada de ‘filha nobre’, ele havia sido apelidado de ‘mudo imóvel’?

Comparada a situação do Araragi-kun, eu ainda tinha amigos.

Amigos com os quais eu me dou bem.

Mas, quando eu penso sobre isso com cuidado, eu nunca fiquei na casa de um amigo antes.

Eu nunca vivi nada como ‘passar a noite’, como tal era chamado – hmm.

Agora que eu pensei sobre isso novamente, eu me pergunto o porquê.

E apesar de que eu odiava passar tempo na casa, eu nunca genuinamente fiz uma tentativa de ‘fugir’ –

Araragi-kun provavelmente diria algo como, isso é porque você é uma estudante de honra, e enquanto isso possa ser a verdade, talvez era na verdade o ponto de vista da Senjougahara-san que estivesse correto.

Em outras palavras,

” Você alguma vez disse, ‘me ajude’? ”

Isso não se estendia somente ao Araragi-kun.

Talvez pedir ajuda aos outros fosse simplesmente algo que eu não conseguisse fazer – eu não gostava da ideia de encarregar algo tão decisivo a outra pessoa.

Eu não queria largar meu direito de escolha.

Eu quero definir minha vida eu mesma.

É por isso que – eu me tornei um gato.

Eu me tornei uma aberração.

Eu me tornei eu.

” Bem, acho que está tudo bem. Estou com sorte, eu sei para onde ir. ” Eu disse isso de uma maneira que não era bem estar falando sozinha, para me alegrar, e parti. Esse sentimento de ser como a Anne Shirley*, com minha única mochila contendo toda minha fortuna, significava que não era verdade que eu não estava de uma maneira imprudente gostando da situação atual, então eu suponho que, como uma pessoa, eu não estava completamente séria – e o lugar para o qual estava indo, é claro,

era as ruínas daquele cursinho** que todos nós conhecemos.

Parece que era chamado de Cursinho Mentes Nobres enquanto ainda estava em funcionamento.

Esse era o lugar onde o Oshino-san e a Shinobu-chan viveram por cerca de 3 meses – e o Araragi também durante as férias de primavera, então independente da aparência de ruína, ele deve ter as instalações para uma pessoa passar a noite.

É isso que eu deduzo.

Eu ficaria agradecida com um chão e teto, ao menos.

Seria muito longe ir andando, mas eu queria economizar dinheiro a partir de agora, então eu não peguei o ônibus.

No passado, Oshino-san colocou barreiras limitando o local, então você não seria capaz de chegar nele nem se você quisesse, mas elas haviam sido removidas.

Se você for só andando pelo caminho,

você será capaz de chegar lá normalmente.

Naturalmente, não havia eletricidade, então eu tive que montar minha cama enquanto ainda havia sol.

Oshino-san e o Araragi-kun faziam suas camas arrumando as cadeiras e as mesas, não era?

Nessa caso, eu devo seguir o exemplo deles.

Passando a cerca e entrando nas ruínas, a primeira coisa que eu fiz foi me encaminhar para as escadas que levavam ao 4o andar – eu escolhi esse andar porque o Araragi-kun me disse que o Oshino-san quase sempre estava morando por lá.

Julgando pelo padrão de vida do seu antigo morador, eu supus que o 4o andar seria mais fácil de viver em comparação aos outros – eu apostei tudo nessa suposição.

Ao invés de acertar em cheio, errei completamente.

A primeira sala que entrei no 4o andar tinha um buraco no teto.

A outra estava sem o piso.

Sem chão, e sem teto…

E alguma coisa deve ter acontecido na última sala restante, como se um tipo de fera tivesse enlouquecido no lugar – se eu tivesse que dizer, seria como se o Araragi-kun e a Mayoi-chan tivessem sido permitidos de correr por lá como desejassem.

Arrependi-me um pouco da minha imprudência.

Não era pra estar tão danificado…

Quando eu primeiro declarei que iria ficar na casa de um amigo, essas ruínas na verdade já estavam na minha mente, mas esse lugar parece ser um ambiente mais cruel do que eu imaginava.

Forçando um sorriso e tentando ao máximo me animar, eu desci para o 3o andar – a primeira sala que entrei nesse andar estava sem chão e sem teto.

Parecia que o buraco no teto estava ligado àquela sala no 4o andar que eu vi a pouco – o que aconteceu aqui, sério? Pelo tom ao redor das bordas do buraco, parecia que ele havia sido destruído recentemente…

O mecanismo a prova de terremotos seria de se recear, se isso havia desabado sozinho.

Com meu coração batendo forte eu desafiei a próxima questão e, finalmente, cheguei em uma sala que mantinha aparência normal de seu teto, chão e paredes.

Mas era cedo demais para se sentir aliviada, e imediatamente eu comecei a trabalhar para fazer uma cama. Isso parece um pouco com acampar com os Escoteiros, eu pensei, mas é claro, eu nunca fiz parte dos Escoteiros.

Saber algo significa que você só sabe.

Não é experiência.

É como a Senjougahara-san disse.

É como se eu acumulasse conhecimento, e juntamente acumulasse toda sua falta insignificância.

Na verdade, amarrar as mesas juntas para fazer uma cama não era, apesar de como deveria parecer, uma tarefa fácil. Eu não tinha corda para amarrá-las em primeiro lugar. Eu saí das ruínas momentaneamente e fui a uma loja próxima para comprar algumas coisas.

” Certo, está pronto. Oshino-san usava mais de uma mesa para fazer a cama dele, mas eu não sou tão alta quanto ele, então esse tamanho deve ser suficiente. ”

Era agradável, entretanto. Fazer algo.

Eu pensei que tinha feito um ótimo trabalho com a cama – tentada a experimentá-la, não resisti e me deitei, ainda de uniforme.

“Whoa.”

Isso não vai funcionar.

Tão alto quanto minhas expectativas eram, o dano mental que sofri era extremo.

Isso realmente não vai funcionar.

Eu realmente me senti decepcionada.

Não tinha diferença entre essa cama e dormir no chão.

Minha expressão ficou rígida.

Acreditando que uma experimentação nova era importante, eu tentei mesmo deitar no chão, e não pareceu ter realmente muita diferença.

Não, na verdade, com o número de juntas no corpo humano, era mais difícil dormir nas mesas.

Que homem assustador você é, Oshino-san.

Ele provavelmente conseguia dormir em uma cama de pregos.

Eu tentei pensar em como o Araragi-kun e a Shinobu-chan conseguiram dormir assim, mas percebendo que a Shinobu-chan era uma ex-vampira e o Araragi-kun era um vampiro quando ele morou aqui, não podia exatamente usar como referência.

Eu não tenho a mínima ideia de como um vampiro sentiria algo dormindo quando eles podiam dormir confortavelmente até em um caixão apertado.

” Um futon. Eu preciso de lençóis…”

Dito isso, eu deixei as ruínas mais uma vez.

Eu saí, carregando minha carteira que tinha um cartão de crédito dentro – então não era como se eu não pudesse sair e comprar coisas.

Além disso, tinham muitos objetos de necessidade os quais precisavam ser comprados além de cordas para amarrar as mesas, e não deveria levar muito tempo e esforço – é só que, nesse momento, eu tive que cortar até gasto com ônibus, então não tinha como eu comprar algo como quentinhas colchas Hanege*** bordadas, então eu tinha que preparar algo para substituir.

Sobre esse tópico, eu li em algum livro que jornal, revistas ou papelão eram bem razoáveis para o propósito de aquecer-se. Eu espero ser capaz de pegar papelão de graça em lojas de departamento.

Considerando a quantidade disso e daquilo que eu teria que comprar, eu teria que pegar o ônibus para a viagem de volta, mas eu me rendi quanto a isso. Era uma péssima ideia cortar até mesmo as coisas as quais eu precisava.

Pobreza enfraquece a inteligência****.

O quão belas são essas palavras.

E por isso que eu andei.

Eu andei, lentamente.

Um passo de cada vez, firmemente.

Comidas industrializadas, e água, coisas assim eram absolutamente necessárias. Usarei o papelão como colchão e jornais, não revistas, como cobertor. Arrancar páginas seria uma tarefa essencial caso usasse as revistas, e eu não acho que conseguiria. Mesmo se eu fosse usar revistas, parece que eu teria alguma hesitação em destruir material de leitura. A respeito desse ponto, jornais já estavam soltos em primeiro lugar.

E roupas.

Eu não podia dormir no meu uniforme – aparentemente, Araragi-kun começou a pensar que eu não tinha uma única peça de roupa normal, mas não era verdade, é claro.

Aqueles dois não nunca fizeram uma única coisa do tipo que pais fariam, mas eles não eram negligentes, também.

Eles faziam o mínimo.

Eles faziam como se estivessem cumprindo alguma obrigação.

Eles me compravam roupas, ao me os – é que simplesmente eu não queria mesmo usá-las.

Bem, tudo havia queimado agora.

Depois daquilo, tudo virou nada.

Parecia como se tivesse sido resetado.

Sim – apesar de que era, na verdade, imprudência da minha parte, eu não podia negar que eu estava animada.

É claro, dito sentimento de animação era também na verdade um truque.

Não havia – tido reset algum.

Essa situação não era nada mais do que um refúgio temporário.

Algo que havia sido perdido não podia ser transformado em algo que nunca foi.

Andando pelas áreas na loja de departamento, vi que roupas como um produto eram surpreendentemente caras. Eu teria que pegar o ônibus, mas talvez eu devesse ir a Uniqlo*****… Quando comecei a pensar sobre isso, a loja de 100 yens subitamente entrou no meu campo de visão.

Na verdade, pensei enquanto me aproximava, eu já tinha um pressentimento de que viria aqui, e eu estava certa. É claro, seria difícil achar pijamas (estilo suéter) por 100 yens, mas ainda bem, roupa de baixo era vendida a esse preço.

Eu comprei elas sem um momento de hesitação e terminei minhas compras.

Enquanto eu pensava coisas estúpidas como eu não podia de maneira alguma mostrar lingerie que eu havia comprado em uma loja de 100 yens pro Araragi-kun, eu entrei no ônibus como planejado e retornei ao Cursinho.

Oshino-san não disse nada sobre incômodos como esses quando ele morava aqui, mas como ele era um ser humano e não um vampiro, eu senti um estranho sentimento de admiração por ele na medida que eu ia me perguntando se ele realmente havia passado por 3 meses com dificuldades como essas.

Na sala no 3o andar, eu comecei a reforçar a cama. Cortei o papelão com um canivete, usei fita para amarrar junto duas camadas em cima da mesa. Você pode pensar que, não importa o quanto eu trabalhe nisso, papelão continua sendo papelão, mas era imensamente mais confortável que antes. Amarrei mais uma camada de papelão só para ter certeza, e completei minha cama.

Como o tanto de trabalho feito me cansou bastante, eu fui jantar.

As únicas comidas que comprei eram industrializadas, então não havia necessidade de cozinhar nada.

É claro,

” Obrigada pela refeição. ”

Eu não esqueci essas palavras.

Mesmo que fosse só comida industrializada, quando você procura sua origem, ela foi fruto do sacrifício de uma vida, em algum lugar.

Ao menos é o que eu acredito, então, obrigada.

Na verdade, mesmo que não fosse um ser vivo, ainda iria fazer parte do meu sangue, dos meus ossos, então eu irei aceitar com gratidão.

A vida é preciosa.

Mesmo que ela não esteja mais viva.

Entretanto, no final, comer esse tipo de comida se tornará tedioso, então talvez eu deva comprar um fogão portátil e uma panela eventualmente. Isso era pra ser uma moradia temporária até aqueles dois acharem uma casa para alugar, mas ambos estão ocupados com o trabalho, então a situação pode vir a se tornar uma na qual eu tenha que morar aqui por um longo período.

” Eu posso usar o banheiro e os chuveiros da escola… Se for necessário, posso recarregar meu celular na escola também. Eu posso estudar na biblioteca ou nas salas de leitura. Quanto ao resto… ”

Pensando nas várias coisas que podem vir a se tornarem problemas, eu continuei a inspecionar elas uma por uma – e imediatamente achei maneiras de lidar com cada uma delas.

Parecia que fazendo isso, eu não estava trabalhando tanto em planos para lidar com o estresse que seria minha vida a partir de agora, mas sim trabalhando duro para confirmar que eu não estava nem um pouco perturbada com o incêndio daquela casa.

Eu fiz isso, como se estivesse me ajustando para encaixar na situação atual.

Como se eu estivesse resolvendo um paradoxo.

Era bem típico meu fazer tal coisa..

” Estava delicioso. ”

Quanto as estações, ainda estava no auge do verão então o Sol deveria se pôr bem tarde, mas já estava escuro antes que eu pudesse perceber, então eu me troquei e vesti as roupas de baixo e roupas de dormi que comprei na loja, e fui dormir na cama que eu tinha acabdo de fazer.

‘Confortavelmente aconchegante’ não eram bem palavras que eu poderia usar.

Ainda sim, era uma coisa misterios, eu me sentia mais em paz aqui do que naquele corredor.

Notas da Tradutora:

*Anne Shirley: personagem principal de um livro infantil chamado Anne of Green Gables, que conta a história da personagem título, que é uma orfã e é mandada para um irmão e uma irmã que inicialmente pretendiam adotar um garoto. A história é muito popular no Japão, faz parte do conteúdo escolar nacional desde 1952 e inclusive teve uma adaptação para anime em 1979, dirigida por Isao Takahata.

**Cursinho: no original, Cram School ou Tutorial School, é uma escola focada em atingir uma meta específica, como passar no vestibular. Então, é o mesmo que o Cursinho que temos no Brasil.

***Hanege: pesquisei, mas não achei nenhuma marca verdadeira. Acredito que seja uma marca fictícia.

****Poverty dulls the wit no original. É um ditado japonês que diz que uma pessoa com fome ou pobre não consegue funcionar direito. Equivalente ao nosso ” saco vazio não fica em pé ”

*****Uniqlo: uma marca muito popular no Japão e no mundo afora, com roupas de grande qualidade e preços bem acessíveis.

 

Advertisements

2 thoughts on “Nekomonogatari (Shiro) Capítulo 7

  1. Saudações

    Incrível como o nível da tradução, ao meu ver, vai dificultando mais e mais para ti, Marcela. Isto logicamente em razão dos textos, que estão demonstrando ficar mais complexos de serem trabalhados a cada novo capítulo que aqui tu apresenta.

    Uma característica interessante que notei no presente capítulo: predominância de frases curtas. O presente texto apoiou-se mais no diálogo e nele investiu até o final. Pergunto-me se este é um tipo de tendência, ou se vem à se tratar unicamente de algo mais isolado na história original.

    No mais, seu trabalho continua muito digno de nota, jovem Marcela.

    Até mais!

Dê sua opinião!

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s